NUM AMBIENTE GLOBAL CADA VEZ MAIS COMPETITIVO, ANGOLA ABRE-SE AO MUNDO.

Angola, cuja capital é Luanda, situa-se na costa atlântica Sul da África Ocidental, entre a República da Namíbia e a República do Congo, e faz fronteira, a oriente, com a República Democrática do Congo e a República da Zâmbia.

 

Angola é um país potencialmente rico em recursos minerais.

 

Os recentes estudos, realizados no âmbito do Planageo, permitiram identificar no seu sub-solo a existência de trinta e cinco (35) das quarenta e cinco (45) mais importantes riquezas do comércio mundial entre os quais se destacam, o petróleo, gás natural, diamantes, fosfatos, substâncias betuminosas, ferro, cobre, magnésio, ouro e rochas ornamentais.

 

A língua oficial é o português e a sua moeda é o Kwanza.

 

O governo liderado por Sua Excelência Doutor João Manuel Gonçalves Lourenço, Presidente da República, é a favor de uma política externa que encoraja relações culturais, económicas e comerciais mais fortes com outros países e pretende ser um membro activo da comunidade internacional.

O CRESCIMENTO DE ANGOLA ASSENTA NA DIVERSIFICAÇÃO DA SUA ECONOMIA.

As Zonas Económicas Especiais são comuns em todo o mundo. Foram estabelecidas, em vários países, na China, Indonésia, Índia, Brasil, Quênia, Etiópia, Malásia, entre outros, para aumentar a competitividade de uma região e atrair investimento externo. Assim, também foi criada a ZEE – Luanda/Bengo, em Angola.

ANGOLA É UM DOS PAÍSES POLITICAMENTE MAIS ESTÁVEIS DA REGIÃO AUSTRAL DE ÁFRICA

No cenário internacional, Angola vem dando forte apoio a iniciativas que promovam a paz e a resolução de disputas regionais, privilegiando a via diplomática na prevenção de conflitos e a promoção dos direitos humanos.

 

O Executivo Angolano tem adoptado todas as medidas necessárias para que os investidores tenham confiança e certeza de que estão a entrar num cenário competitivo, de sã concorrência e aberto.

 

A estabilidade e a segurança são condições prévias necessárias para o desenvolvimento social e económico de qualquer País. E o Executivo Angolano apoia o desenvolvimento e o crescimento da economia nacional, por via da geração de emprego e do incremento da produção interna.

 

A prossecução destes objectivos exige, entre outros, o surgimento de instituições transparentes, responsáveis, modernas e competentes.

ANGOLA E A DIVERSIFICAÇÃO DA SUA ECONOMIA.

A sustentabilidade futura da economia angolana depende da construção de um sector privado consistente e robusto, pelo que, priorizamos o desenvolvimento de um ambiente de negócios  e de investimento que apoie o arranque e o crescimento das empresas e da indústria.

 

O desenvolvimento de um sector privado diversificado assegura o estabelecimento de novas empresas e indústrias na Zona Económica Especial (ZEE) Luanda-Bengo,  primordial para o desenvolvimento desta região, criação de empregos, bem como, para permitir o reforço  da economia não-petrolífera.

ANGOLA, UMA NAÇÃO ABERTA AO MUNDO COM UMA CLASSE EMPRESARIAL, NACIONAL E ESTRANGEIRA, EMPREENDEDORA

Angola convida-o a realizar o seu investimento, nacional ou internacional, na Zona Económica Especial, contribuindo, assim, para o desenvolvimento, a competitividade e o empreendedorismo